quinta-feira, 3 de outubro de 2013

O sagrado Odù Ìròsún

O Olórí Epé (Chefe de Epé) foi aos awo (adivinhos) no dia em que sua aldeia estava sendo assolada por um ekùn (Leopardo). O ekùn estava matando crianças e nenhum dos caçadores tinham sido bem sucedidos em seus esforços para capturar o animal. A Adivinhação foi feita, e os Òrìsà disseram que Olórí deve ser gentil com um forasteiro.

Mais tarde naquele dia o Okùrin wèrè Ijèbú (homem louco de Ijèbú) se aproximou da aldeia de Epé. Chamavam-lhe de Okùrin wèrè Ijèbú porque ele foi criado na floresta, e não tinha nenhuma familiaridade com as maneiras do mundo. Sua loucura nascia de ìwá-mímó (inocência).

Foi o Olórí que ofereceu a Okùrin wèrè Ijèbú sopa doce quando se sentou para descansar perto da entrada da vila. Depois de terminar sua refeição Okùrin wèrè Ijèbú agradeceu Olórí e continuou sua jornada. Enquanto estava parado notou que as pessoas da aldeia estavam de luto. Okúrin wèrè Ijèbú nunca tinha visto tanta tristeza e dor.

"Por que ninguém está cantando ou dançando?" perguntou.

O Olóría olhou a Okùrin wèrè Ijèbú e não pensou nem por um minuto que ele era a pessoa que salvaria sua aldeia. "Fomos atingidos por um ekún que está atacando nossas crianças", ele disse isso enquanto olhava para a estrada na esperança de ver outro estrangeiro.

"Como você foi tão bom para mim, salvarei sua gente do Epé, desta terrível ameaça". Okùrin wèrè Ijèbú bateu as palmas mãos, como se o assunto já tivesse sido resolvido.

“Você é um Ode (caçador)?" perguntou o Olórí.

Não sabendo o que era um Ode, Okùrin wèrè Ijèbu respondeu "Sim".

"Porem não tinha armas". O Olórí não estava convencido.

Tendo sido criado na pobreza, Okùrin wèrè Ijèbú estava acostumado a lidar. Ele pegou um pilão, que estava ao lado da argamassa usada para bater inhame. "Agora eu estou pronto para caçar esse ekùn que tem causado tanta infelicidade".

O Olórí balançou a cabeça e orou ao Òrìsà, pedindo-lhes para enviar um verdadeiro Ode à vila da Epé.

Enquanto Okùrin wèrè Ijèbú estavam indo para a floresta, ele ouviu as pessoas de Epè gritando que o ekùn estava vindo. Ele rapidamente subiu em uma árvore e esperou passar o ekùn. O ekùn caminhou diretamente sob Okùrin wèrè Ijèbú, que caiu da árvore quando viu os dentes da besta selvagem. Antes de bater no chão, deixou cair o pilão que pousou diretamente sobre a cabeça do ekùn. O animal foi morto com um único golpe.

Imediatamente as pessoas de Epé começaram a dançar e cantar. Estavam agradecendo Okùrin wèrè Ijèbú. Foi nessa ocasião que o povo de Epé decidiu dar a Okùrin wèrè Ijèbú um nome justo. E assim ele se ficou conhecido como Sàngó (Espírito do relampago).

Comentário: Sàngó é uma das figuras centrais nas histórias dos Òrìsà que falam de transformação espiritual. Ifá é uma religião que se baseia no princípio de desenvolvimento do poder pessoal. De um ponto de vista psicológico, o poder pessoal cresce através do processo de superação do medo. Esta história é um exemplo dessas forças psicológicas que entram em jogo toda vez que enfrentamos um medo.

O Okùrín wèrè Ijèbú (homem louco de Ijèbú) caracteriza-se como inocente e ingênuo. A inocência e ingenuidade são a norma para quem começa uma busca espiritual. Nas tradições místicas Européias o papel do louco é geralmente descrito como "tonto". Esta caracterização não se destina a reduzir a figura central na história. Ao contrario, aponta para uma verdade fundamental que ocorre em qualquer momento, quando o medo é confrontado por ação direta.

Quando somos crianças muito jovens não temos medo de atravessar a rua. É somente quando a criança começa a interagir com outras pessoas que desenvolve um medo ou temor. A fonte do medo é a reação dos adultos que vêem uma criança tentando atravessar a rua sozinha. Muitas ruas movimentadas merecem cautela, mas para uma criança pequena não há base para a avaliação.

Na história, Sàngó está disposto a caçar o leopardo porque não tem ideia de como o animal pode ser maligno. Sempre que enfrentar um medo novo a mesma falta de informação é um fator. A única maneira de enfrentar o medo é através da coragem, e a única maneira de acessar a coragem é agir apesar do medo. A alternativa é a de continuar a manter o medo.

A disposição de Sàngó para enfrentar um desafio desconhecido, sendo bem sucedido mesmo que os meios para tanto parecam acidentais. Uma vez que Sàngó realmente matou o leopardo, tem informações em primeira mão sobre os perigos da vida real que estão envolvidos. É esse conhecimento que permite Sàngó tornar-se um guerreiro consumado.

Em histórias posteriores da vida de Sàngó sua habilidade na batalha eleva-o à posição de tornar-se o protótipo para a fonte da coragem heróica, tal como ele existe como uma força da natureza. 

Simplesmente Sàngó se torna a personificação da coragem, e esta história é o fundamento da sua missão para descobrir o awo, o mistério da ação corajosa.

Awo Ifádámiláre
http://www.ifaolokun.com.br



Ifá é quem transforma as coisas ruins em boas