domingo, 12 de dezembro de 2010

PROFESSOR NORTON CORREA COMENTA SOBRE A “OCUPAÇÃO” NO BATUQUE


Por Erick Wolff

Reza os preceitos e fundamentos do Batuque Afrosul, que todo iniciado no fundamento jamais deverá saber da manifestação do seu Òrìsà durante os rituais, talvez este Tabu fosse criado no inicio da origem destas famílias religiosas, que para preservar os 
lẹ́gùn dos rituais secretos a que são deparados às divindades por eles cultuadas, alguns destes rituais chamados de provas eram temidos até mesmo pelos iniciados mais velhos que não entravam em transe. Contudo mesmo assim é proibido de comentar ou perguntar qualquer coisa que possa levar o lẹ́gùn a desconfiar que houvesse algum relacionamento com o transe.

No livro “Dos Yoruba ao candomblé de  Ketu”, lançado recentemente pela Edusp, por Aulo Barret Filho (Org.), na página 275, no capitulo: "Segredos dos escrever e o escrever dos segredos”, Vagner Gonçalves da Silva, registrou a fala do professor gaúcho Norton Corrêa, que fala da ocupação. Relata Vagner:


Vagner:  Mas se você publica a foto[no livro], a pessoa vai se”ver no santo” [em transe].
Fala Norton Corrêa: Mas isso eu não publico.
Muitas vezes passei estes Slides [...] Eu fazia as fotos da casa e depois eu chegava lá na outra festa: “Olha, eu vou passar as fotos, os slides, só que tem um detalhe: só podem assistir os Orixás”. Ai baixava um monte de orixás que [normalmente] não baixavam, mas nesse dia baixavam. Era uma farra enorme. Eu passava no fim da festa. E eles mesmos evitavam entrar  na  sala onde eu passava isso. Quando  eu passava na universidade ou qualquer coisa assim, eu olhava atentamente na sala para ver se tinha pessoas ali que eu sabia que não poderia ver. ”




Tal comportamento e tabu foi estudado por Norton Corrêa, que produziu riquíssimo material, porem a seguinte frase “ [...] aí baixava um monte de orixás que [normalmente] não baixavam, mas nesse dia baixavam. Era uma farra enorme [...]” ridiculariza e desmerece o batuque.