domingo, 23 de julho de 2017

“NÓS SOMOS SEUS FILHOS”: SACERDOTES DE IFA EM OYO IMPLORAM AO OBA ALAAFIN.

Este artigo foi publicado na página oficial do Alaafin e Oyo, sua majestade [Dr.] Lamidi Olayiwola Adeyemi III. 

Relata os problemas com fraudes e venda de títulos a estrangeiros, que gerou grande desgosto vergonha para toda a comunidade Yoruba, sabendo que é crime tal procedimento. 


Os sacerdotes de Ifá foram presos e detidos para averiguações. Envergonhados com tal atitude, estes sacerdotes foram implorar o perdão do Alaafin pelos seus atos criminosos. 

O Alaafin informa que os sacerdotes de Ifá somente são capacitados para jogar o oráculo de Ifá, não possuem autorização nem competência para oferecer títulos a ninguém, e que todos os títulos fornecidos por eles são inválidos. Desta forma, os estrangeiros que carregam títulos fornecidos por estes sacerdotes devem se conscientizar que não os carregam. Segue o artigo:



“NÓS SOMOS SEUS FILHOS”: SACERDOTES DE IFA EM OYO IMPLORAM AO OBA ALAAFIN.



O Alaafin de Oyo rei, [Dr.] Lamidi Olayiwola Adeyemi III, alertou aos adeptos da religião de IFA, de se abster-se de todos os atos que são capazes de trazer descredito as estimadas tradições.

Oba Adeyemi deu o aviso quando alguns sacerdotes de Ifá em Oyo, que se envolveram em práticas fraudulentas há algum tempo atrás e foram presos pelas agências de segurança da policia, foram pedir perdão.

Os arrependidos sacerdotes de Ifá foram liderados por renomado sacerdote de Ifá, como o primeiro vice-chanceler da antiga Universidade de Ifé, agora Obafemi Awolowo University, Professor Wande Abimbola.

Ele advertiu que a concessão de títulos, especialmente aos estrangeiros pelos sacerdotes de Ifá deve parar, acrescentando que somente (iroke) e chapéus brancos devem ser utilizadas em sua instalação, em vez de coroa e bastão, como estão fazendo.

''Não importa o cargo ocupado na religião tradicional de Ifá e a proficiência de sua prática e mitologia; isto não dá o direito de conferir a alguém o título de Rei de Ifá, e apresentar tal pessoa à comunidade com um bastão. Como sacerdotes de Ifá, vocês devem interpretar o oráculo e não estão autorizados para conferir títulos chefia. É ilegal e inconstitucional ''.

A regras do Supremo dizem que é altamente ridículo e pouco favorecido referir-se às religiões tradicionais como fetichismo e adoração de ídolos.

''Cada cultura tem uma explicação para a criação do Universo. As crenças tradicionais iorubá veem o mundo como produto de dois mundos conectados; o mundo visível da vida material e o mundo espiritual invisível. A ligação destes dois mundos produz energia que é chamado Àse, na cosmologia iorubá''.

Salientou o Alaafin que para o iorubá, as regras do Criador sobre todo o universo se manifesta através dos elementos da natureza, acrescentando que essas crenças e práticas indígenas são uma filosofia de vida e uma ciência natural.

''Nós vemos a relação do homem com a natureza e do universo. Revelando as maneiras pelas quais os seres humanos podem estar em harmonia com as energias da natureza e do universo. Ela é a base para a compreensão do início e fim da vida.''

Alaafin salientou que todos os elementos do mundo invisível são simbolizados como Òrìsà no mundo visível, usando o exemplo de Sàngó, cuja energia simbolizada pela luz é maior elemento na criação do Universo.

 Através da crença na reencarnação, Oba Adeyemi argumentou que existe evidencias de que cada um dos Òrìsà, após a sua ascensão, voltaram à Terra.

Disse ele: ''nossa religião tradicional é parte de nossa herança, e que precisa ser preservada e reconhecida. O ataque direto à religião ioruba, às tradições sócio culturais e espirituais, deve se parar. ”

Alaafin também citou a mitologia de Ifá e personalidades notáveis da tradição de Ifá, tanto na cidade Oyo como em outras partes do mundo.

Enquanto perdoava os sacerdotes de Ifá, o Alaafin pediu para ter cuidado para que não depreciassem a cultura e as tradições.

No início de seu curto discurso, o professor Abimbola que expressou forte indignação com o que ocorreu como ''atos infantis e prejudiciais'' dos sacerdotes de Ifá, recorreu ao Alaafin para o perdão dos seus crimes.

No entanto, o perdão real foi devido à intervenção do professor Abimbola, e do reconhecimento dos altos sacerdotes das suas ações erradas e da gravidade de seus crimes, e suas declarações para não repetirem as mesmas ações vergonhosas.

Recordem-se que ocorreram casos na cidade de Oyo, sobre as atividades de alguns sacerdotes de Ifá do templo Ijó Ifá Adimula - Bara, onde os estrangeiros desavisados, mas realmente interessados na cultura e tradições Yoruba tinham sido aliciados, manipulados e enganados ao receber títulos falsos, o que é um assunto gravíssimo e ilegal.

Especificamente, há algum tempo atrás, um Sr. Francivan Leao Nobre foi conferido com o título falso, não reconhecido, como Araba Logunede e Oba Ifá Adimula of South America, após o que recebeu o nome de Ifatowo Adebayo.

Além disso, esses inescrupulosos sacerdotes de Ifá, conferiram mais falsos títulos e não reconhecidos:

Ao Sr. Jose Lara, como Araba Awo Ofun Ajitena Temple, USA, recebendo o nome de Ifakayode Falade;

Ao Sr. Dasiel Guerra, como Akoda Awo Ofun Ajitena Temple, USA, recebendo o nome de Awotunde Ajisol;   

Ao Sr. Raymond Carrabeo, como Awo Ajitena Temple, EUA, recebendo o nome de Ifalomo Ifalana;

Ao sr. Fernando Garrido, como Agbobgbon Awo Ofun Ajitena Temple, USA, recebendo o nome de Ifalase.

Adicionado a esses títulos acima mencionados, existem outros falsos títulos dados aos estrangeiros desavisados, os quais estão sob investigação.

Para esclarecer isto, qualquer pessoa que estiver em dúvida sobre um título dado a ele, ou ela, na cidade, deve entrar em contato com o Palácio do Alaafin para mais esclarecimentos.

Estas práticas fraudulentas são atos contrários às leis do estado de Oyo. Por favor, consulte os links no: Punch Newspaper, de 11 de junho de 2017, e Nigerian Tribune, de 13 junho de 2017.

A fim de prevenir ocorrências futuras, e para informação pública, listaremos aqui aqueles que foram acusados em tribunal, incluindo aqueles que são procurados pela polícia C.I.D, em Ibadan, capital do Estado de Oyo:

Faniyi Awoniran Omoyemi,
Ojelabi Okewole,
Kehinde Ifaloseyi,
Famuwagun Oloyede,
Faleye Ikusannu,
Fasola Olaniyan,
Ifayemi Olaniyan,
Ifakorede Ifaloseyi,
Ifadoyin Ifatoki,
Oyasogo Ifakorede,
Ifasooto Ifawumi Adeyemo,
Awoniran Awotunde,
Awoniran Ifamyiwa,
E outros.

Outrossim, sacerdotes de Ifá são capacitados apenas para interpretar o oráculo de Ifá, mas não conferir títulos de chefia.


 


Fonte:

INTERNET. Página do Alaafin Oyo, Facebook. Acessado em 23/07/2017. https://www.facebook.com/alaafinoyo/photos/pcb.1217621711698231/1217621655031570/?type=3

O POVOADO DE KÀNBÍ

Erick Wolff
Pesquisador independente e autodidata

RESUMO
Sem pretensão alguma, desejamos neste texto apresentar a localização do povoado de Kànbí, para que possa iluminar a mente dos Afro-descentes do Sul do país, com intenção de criar novos caminhos para estudos e pesquisas.

PALAVRAS CHAVES: Kànbí, Òsùn, Nigéria


O povoado de Kànbí está situado no estado de Òsùn, Nigéria. Kànbí localiza-se numa altitude de 222 metros acima do nível do mar, as coordenadas de Kànbí são 7°28'0" N e 4°12'0" E em DMS (Graus Minutos Segundos) ou 7,46667 e 4,2 (em graus decimais). Sua posição UTM é FJ32 e sua Operação Conjunta referência Gráfica é NB31-03.  Calcula-se uma população de 77.015. 

CIDADE ÀBÍNA

Erick Wolff
Pesquisador independente e autodidata


RESUMO
Neste texto desejamos apresentar mais uma cidade vinculada ao povo Yorùbá, neste material apresentaremos a cidade Àbína e um mapa do palácio de Òyó, neste material chegamos novamente próximo ao ritual da Kànbína do òrìsàismo Afro-sul, e seus rituais Yorùbá.
PALAVRAS CHAVES: Àbína, Kànbína, Káà, Aganju


A cidade Abina está localizada em Òyó, na Nigéria e suas coordenadas geográficas são latitude: 8,0167°N e longitude: 4,3333°E. Amoeda local de Abina é Naira (NGN). 

Não é possível afirmar com extrema certeza que este ou aquele é o caminho certo e único, no entanto, podemos observar o nosso culto, nossa comunidade e nossos rituais, que nos levam à cultura Yorùbá e seus costumes, já tivemos acesso há inúmeros artigos que nos revelaram muitos conceitos e informações, abrindo a nossa mente e olhos, tudo isso para que possamos apreciar as nuances que nos levam a imaginar possíveis vínculos da Kànbína Afrosul com a Àbína e o nome dos Káà (quartos) do palácio de Òyó.

" [...] O portão principal do palácio dá acesso ao mais largo dos pátios conhecido como Aganjú. Usado principalmente para assembleias com todo o povo da cidade, o Aganjú espalha-se aproximadamente sobre 3.5 acres. Nele há os templos de três Òrìsà: Sàngó, Òrìsàfunfun e a divindade para todas as coisas [...] "
 (página 48)

Observamos que na primeira edição da revista Olòrun, ao publicarmos os Irúnmolè (Divindades cultuadas entre as nações de matriz Africana) que são cultuados no òrìsàismo Afro-sul, notamos que todos pertencem e são cultuados nos fundamentos Yorùbá.

Os mesmos traços são notados no àse do Ekomi (Um ritual que é  feito em dias que há toque no templo, muito semelhante ao ritual do Ìpàdé do Candomblé), um ritual que agrega o epo-pupa (Azeite de Dendê) e a farinha de mandioca, que Bara tanto adora e ajuda a afastar os Ajogun (são os seres maléfico que agem contra os seres humanos).

Na segunda edição tivemos contato com o Aláààfin de Òyó e os rituais fúnebres. Na terceira e quarta edição desenvolvemos a noção de pessoa e os rituais para Orí, nos informando e conceituando sobre nossos rituais Yorùbá.

E foi na quinta edição que tivemos acesso A Entronação do Aláààfin e sua conservação, que apresentou os rituais do rei dos reis Yorùbá e a semelhança com o ritual da Kànbína Afrosul. Entre tantas edições seguinte sempre houve um lastro que fixasse a Kànbína aos rituais Yorùbá, o que nos deixa uma laguna aberta ao tentar buscar elementos que possam ilustrar vínculos com o povo Banto, sendo que o povo Banto não cultua Òrìsà, Orí, IBorí, Òkúta, Igba-òrìsà entre tantos outros elementos que fazem parte da cultura Yorùbá

Por isso, é possível somar Káà + Ábìna = Kábína, lógico que são apenas sugestões, pois não podemos chegar afirmar com toda certeza e intenção de ditar que este é o caminho. 



Conclusão
Ábìna é uma cidade de Òyó, descobrimos que os quartos e salas do palácio de Òyó eram conhecidos por Káà, o que gera uma leve possibilidade de criar o nome de uma das vertentes do Òrìsàismo Afrosul, a Kánbìna baseia-se nos rituais, divindades e conceitos Yorùbá, e, foi por isso que nossos estudos sempre nos levaram acreditar que esta raiz pertence a ancestralidade Yorùbá, tal qual as divindades cultuadas e seus rituais.


Bibliografia
OJO, Afolabi. Yoruba Palaces,  A Study of Afins of Yorubaland. London, University of London Press, 1966.

Link Mapa
https://www.google.com.br/maps/place/Abina,+Nigéria/@8.0124838,4.3216832,14.13z/data=!4m5!3m4!1s0x103776a3b35f2f49:0x29aea9007d1faaed!8m2!3d8.016667!4d4.333333